Monumentos

Arraiolos – Terra de Tapetes, tem no seu património monumental, paisagístico e natural, todo o encanto do Alentejo e da quietude da natureza.

O casario branco de vincado rodapé azul, qual barra de tapete em fundo definido, constitui um convite para uma visita demorada a toda a sua história entrelaçada na paisagem rural matizada de mil cores.

Para melhor enfrentar o futuro, é necessário conhecer e compreender o passado do nosso concelho e a sua história.

É num contexto de valorização do património edificado e monumental, de defesa e preservação do ambiente, de defesa e divulgação do nosso artesanato, nomeadamente do “Tapete de Arraiolos”, que damos a conhecer o concelho de Arraiolos, um concelho onde vale a pena viver e, simultaneamente, um concelho que apetece conhecer.

O concelho de Arraiolos, a par da riqueza da sua paisagem, é detentor de um vasto património edificado.

Deste conjunto destacam-se diversos monumentos nacionais e outros imóveis, nomeadamente:

  • Salão Nobre dos Paços do Concelho 

O Salão Nobre dos Paços do Concelho de Arraiolos entre 1927 e 1932 recebeu 11 quadros para decoração da autoria de Mestre Simão Dordio Gomes, ilustre pintor arraiolense, nascido a 26 de Julho de 1890.

Mestre Simão Dordio Gomes foi aluno da Escola de Belas-Artes de Lisboa e foi professor na Escola Superior de Belas-Artes do Porto.

O insigne pintor participou em enumeras exposições nacionais e internacionais.

 

  • Monumento à Tapeteira 

O Monumento à Tapeteira foi inaugurado no dia 23 de Dezembro de 2001, com toda a importância histórica que releva do artesanato a que Arraiolos deu o seu próprio nome.

O Monumento é da autoria de Armando Alves.

Época Construção : Séc. XXI

  • Fonte da Pedra  

Antigamente chamada dos Almocreves.

Fonte de particular encanto, fica situada a cerca de 300 metros da vila numa baixa acentuada.

Época Construção : Séc. 19

  • Santana do Campo – Templo Romano 

Monumento Nacional – Importantes ruínas milenárias do séc. II/III d.c.

É por muitos considerado o templo da antiga povoação romana “Calântica”, ao qual se atribui o culto da divindade “Carneus”.

Edificada sobre o mesmo, a Igreja de Santa Ana (do séc. XV/XVI com profundas alterações no séc. XVIII) não conseguiu esconder a grandiosidade do monumento incorporado.

Época Construção : Séc. I

  • Castelo de Arraiolos 

Monumento Nacional, compreende a muralha da antiga povoação e os Paços dos Alcaides. A sua construção teve inicio no ano de 1306, após a assinatura do contrato entre o rei D. Dinis e o Concelho da vila, alcaide e Juizes em 26 de Novembro de 1305.

Coroado no vértice pela antiga Igreja do Salvador séc. XVI, dele se vislumbra a imensidão e a beleza da paisagem circundante, permitindo um olhar distinto sobre o centro histórico da vila.

Época Construção : Séc. XIV

  • Pelourinho de Arraiolos 

Monumento Nacional do séc XVI. Obra em estilo Manuelino, ergue-se no topo norte da praça, junto ao antigo Hospital do Espirito Santo que conserva o portal da capela do mesmo século e estilo.

Instrumento de justiça. Símbolo da jurisdição e independência municipal, conjuntamente com a Forca. Situa-se na Praça do Município

Época Construção : Séc. 17 / 18

  • Convento dos Lóios / Convento de Nossa Senhora da Assunção 

Fundado em 1527, ergue-se a escassas centenas de metros da vila, no verdejante vale de Flores. A combinação de vários estilos: elementos góticos – manuelinos-renascentistas e do barroco filipino, atribuiu-lhe certa originalidade.

A realçar na Igreja, as composições azulejares do mestre espanhol Gabriel del Barco séc. XVIII. De referir também a beleza dos claustros.

Adaptado, abre as suas portas como Pousada Nossa Senhora da Assunção em 1996.

Utilização Inicial : Cultual: convento da Ordem de Santo Elói

Utilização Actual: Turística. Pousada

Época Construção: Séc. 16

  • Casa da Mala-Posta / Casa do Capitão-Mor 

Residência do último Capitão-mor de Arraiolos Manuel José Mendes de Carvalho (provido por carta patente de D. João VI de 1802), fica situada no antigo campo da feira ou Rossio, hoje Praça da República, a par da Ermida de S. Romão, nela se hospedaram em 1827 e 1834, respectivamente, o Marquês de Fronteira e de Alorna e o Duque da Terceira, no período das lutas liberais.

Época Construção: Séc 18

Observações : Adaptada para instalação da Biblioteca Municipal

  • Igreja da Misericórdia de Arraiolos 

Pertencendo à Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Arraiolos, instituída em 1524, este templo, exemplar do estilo barroco, foi fundado nos finais desse mesmo séc.XVI.

Situada em pleno centro histórico da vila, exibe no seu interior, revestindo as suas paredes, um interessante conjunto de painéis de azulejos do séc. XVIII.

Época Construção: Séc. 16

  • Igreja Matriz 

A Igreja de Santa Maria (já existia em 1302) antecessora da actual Matriz, sofreu danos muito graves ao longo da sua existência, sendo abandonada em pleno séc. XVII.

A sua reconstrução integral é efectuada a partir do ano de 1747 por ordem do arcebispo D. Miguel de Távora. Da época de transição barroco-rococó, dedicada a Nossa Senhora dos Mártires, este templo de uma nave de planta rectangular incorpora oito capelas laterais.

Época Construção: Séc. XIV (reconstruída no Séc. XVIII)

  • Convento de S. Francisco de Arraiolos 

Situado no Outeiro de S. Romão, que depois ficou conhecido por Outeiro de São Francisco, este convento da Província da Terceira Ordem da Penitência de São Francisco, sobranceiro à vila, muito contribuiu para o desenvolvimento da malha urbana de Arraiolos, constituindo um dos poucos novos eixos de desenvolvimento definidos no século XVII (CARREIRA, 1995).
A fundação do convento ocorreu em 1612, datando ainda desse mesmo ano as licenças necessárias, do Duque de Bragança, D. Teodósio II, senhor de Arraiolos, e o arcebispo de Évora, D. José de Melo. O acórdão camarário, onde a autarquia justifica a oposição à edificação do convento no Rossio, disponibilizando o referido Outeiro, é de 3 de Janeiro do ano seguinte.

Época Construção: Séc. 17

  • Igreja Paroquial da Igrejinha / Igreja de Nossa Senhora da Consolação 

Destacam-se os altares em talha, joaninos, as pinturas a fresco, barrocas, que revestem a cobertura em caixotões da nave principal e a cobertura da capela das Almas (face ocidental); datadas de 1724,

Época Construção : Séc.16 / 17 / 18

  • Igreja Paroquial de São Gregório 

A Igreja Paroquial da Freguesia de S. Gregório foi erguida na Herdade da Comenda de Mendo Marques. O edifício tem características arquitectónicas dos inícios de seiscentos.

Época Construção : Séc. 16 / 17

  • Igreja de Santa Clara do Sabugueiro 

A Igreja de Santa clara edificada no seu vasto terreiro, recuperado e valorizado, apresenta características construtivas de início do séc. XVII. Salienta-se no interior o interessante conjunto de pinturas morais de cariz popular, que revestem o seu tecto.

Época Construção : Séc. 16 / 18

  • Igreja de São Pedro da Gafanhoeira 

Cronologia : 1534 – visitação do Cardeal Bispo de Évora D. Afonso, referenciando a Igreja de São Pedro da Gafanhoeira; 1585, c. de – provável fundação do templo actual.

  • Igreja Matriz do Vimieiro 

Igreja Matriz – Dedicada a Nossa Senhora da Encarnação do Sobral, este templo de acentuado carácter regional, foi sagrado no ano de 1557.

Época Construção : Séc. 16