Tapetes de Arraiolos

Os Tapetes de Arraiolos, têxteis bordados de qualidade são indissociáveis da história e da vida quotidiana do concelho de Arraiolos.

Arte antiga feita de muitos “saberes” e um mesmo “saber fazer” que artesãs exímias souberam construir, esta manifestação artística conhecida em todo o mundo, ocupa um lugar de destaque entre as artes em Portugal. A sua origem em Arraiolos é uma história longa de séculos, com referência escrita datada de 1598, mas com recentes investigações, documentais e arqueológicas, a indiciarem que as origens de produção desta expressão artesanal e artística da vila de Arraiolos sejam ainda mais antigas.

De facto o estudo das amostras recolhidas nas fossas escavadas na Praça do Município, feito pelo Laboratório do Museu D’Arqueologia de Catalunya em Barcelona, identificou a presença de lã de ovelha, com restos de tintura por ação da raiz da “Rubia tintorumL”, uma das plantas utilizadas na tinturaria.

Sobre a origem e a história do Tapete de Arraiolos sabemos que dispunha a nossa vila de todas as condições para o desenvolvimento deste artesanato. Situava-se numa região pecuária, em que a lã era uma produção destacada. Quase todos os inventários de lavradores incluem quantidades significativas deste produto em diversas fases de preparação. Por outro lado a vila contava com uma importante atividade têxtil.

No lançamento da sisa de 1573, de 122 moradores do núcleo urbano com a profissão indicada, 31 (25%) tinham atividades ligadas a esse ramo: 18 tecelões, 7 cardadores, 2 pisoeiros, 2 tosadores, 1 tintureiro e 1 surrador. Os próprios inventários evidenciam a importância dessas atividades no conjunto da população.

Ora, a execução de tapetes exigia quase todas essas profissões, quer na preparação da lã e sua coloração, quer ainda na produção da tela sobre a qual o bordado se executava.

O “Tapete de Arraiolos” é um riquíssimo legado que importa preservar.


A Câmara Municipal de Arraiolos tem promovido diversas ações no sentido de melhor conhecer e defender o “Tapete de Arraiolos” enquanto elemento da nossa identidade cultural mas também com potencialidades para o desenvolvimento sócio-económico do concelho.